A guerra dos Métodos: a visão da Escola Histórica Alemã Mário Motta de Almeida Maximo Resumo



Yüklə 42,26 Kb.
tarix15.08.2018
ölçüsü42,26 Kb.


A Guerra dos Métodos: A visão da Escola Histórica Alemã
Mário Motta de Almeida Maximo

Resumo
O presente trabalho trata do importante debate metodológico que ocorreu no final do século XIX, entre aqueles que apoiavam a escola austríaca de economia, liderada por Carl Menger, e os componentes da escola histórica alemã, liderada por Gustav von Schmoller. Discutir-se-á a epistemologia da ciência econômica, seus fundamentos filosóficos e o contexto cultural, social e histórico em que ela está inserida. O objetivo central é apresentar as principais ideias metodológicas que permeavam a discussão que viria a ser conhecida como Guerra dos Métodos (Methodenstreit der Nationalökonomie).
Palavras Chave: História do Pensamento Econômico, Metodologia.

Abstract
This work is about the essential contest in economics methodology that occurs in the last decades of nineteenth century, between those support austrian school of economics, commanded by Carl Menger, and the members of german historical school, commanded by Gustav von Schmoller. It is a debate of epistemology in economics science, his philosophics basis and the culture, social and historical context he is involved. The central purpose is introduce the main methodologic ideas who permeate the notorious debate known as Methodenstreit der Nationalökonomie.
Keywords: History of Economic Thought, Methodology.

I – As origens do movimento intelectual alemão.
O período histórico atual, chamado convencionalmente de a era moderna, possui características excepcionais, extremamente importantes para compreender a essência da sociedade contemporânea. Somente na era moderna o sistema econômico foi separado do tecido social. Em todas as outras sociedades, a consideração econômica foi subordinada as preocupações sociais.
A comparação do presente sistema capitalista com formas de organização social mais antigas permite expandir o conhecimento acerca de ideias e valores que frequentemente são ignorados, justamente pelo fato do capitalismo não ser tomado em sua perspectiva histórica, ser adotado erroneamente como atemporal e universal.
A Alemanha sofre particularmente com o impacto das ideias modernas tanto pela sua proximidade geográfica com os principais pólos irradiadores da novidade (França e Inglaterra), quanto pelo pensamento forte e singular de seus intelectuais. O encontro, no cenário cultural germânico, de duas interpretações do mundo complexamente distintas iria surgir questionamentos e dúvidas fundamentais para a jovem ciência econômica.
O momento histórico crucial é o de afirmação da ideologia moderna. A revolução francesa e a revolução industrial no final do século XVIII construiriam toda a mentalidade do século seguinte. A modernidade se espalha pelo globo de maneira irreversível, afetando todos os povos. Hobsbawm cita um conjunto de palavras aleatórias que surgiram nessa época e que sem as quais o mundo moderno seria inimaginável; tais como: “indústria”, “classe média”, “classe trabalhadora”, “capitalismo”, “socialismo”, “liberal”, “conservador”, “nacionalidade”, “cientista”, “sociologia”, “jornalismo”, “pauperismo” etc. (HOBSBAWM, 1977: 17).
Diante desse cenário, começaram a se articular reações ao avanço da industrialização e sua ideologia associada. Essa reação assumiria diversas formas, desde manifestações violentas como a destruição direta de máquinas, empreendida pelo movimento Ludita, até os refinados romances escritos no Sturm und Drang, pré-romantismo alemão. Assumiria também o formato de uma reação intelectual com implicações políticas.
Entre 1770 e 1830 se deu na Alemanha um extraordinário florescimento intelectual e artístico. Um movimento paralelo ao iluminismo que percorria a Europa, marcado por um forte sentimento religioso e metafísico, completamente oposta ao ocidente cada vez mais laico e materialista.
Johann Gottfried Herder (1744 – 1803) é considerado o pai das noções relacionadas ao nacionalismo, historicismo e Volksgeist1. Inspirador do movimento e antecipador dos principais temas tratados pela chamada escola histórica alemã. Adversário tenaz dos filósofos franceses, ingleses e de seus seguidores alemães. Contra todos aqueles que acreditavam que a realidade era ordenada em termos de leis universais, eternas, objetivas e inalteráveis, que podiam ser descobertas através da pesquisa racional.
Herder sustentava o caráter único e singular de cada atividade, período histórico ou civilização, irredutível a qualquer sistematização racionalista em termo de regras objetivas e imutáveis; o que confundiria justamente a diferença essencial que constitui a qualidade específica dos fenômenos. Fora discípulo de Kant, com quem romperia mais tarde, criticando sua classificação e segmentação dos diferentes tipos de consciência e faculdades do homem.
Na Inglaterra, após a morte de Ricardo, em 1827, os grandes metodologistas econômicos (Stuart Mill, Elliot Cairnes e Neville Keynes) se esforçariam para identificar o ricardianismo com a própria economia, isto é, isentando a jovem ciência econômica de comprovações empíricas. Predominava a lógica das ciências da matéria, onde a razão é capaz de explicar o mundo através de encadeamentos lógicos tão rigorosos quanto a seqüência de teoremas. Entretanto, o movimento intelectual alemão ameaça esse império analítico. Destaca-se a singularidade do fator humano e das ciências que tratam desse objeto, e sentia-se a emergência de um status diferente para essas, de uma metodologia própria. O mundo do homem é histórico.

A fundação da Universidade de Berlim em 1810 é um marco dessa oposição intelectual. Conviviam no ambiente universitário as cátedras de filosofia, teologia, filologia e história, com uma abertura e um diálogo desconhecido nas universidades francesas e inglesas. Ao contrário de uma segmentação e uma especialização cada vez maior do conhecimento, desenvolvia-se na Alemanha, uma perspectiva de integração entre disciplinas que tratam do homem. Um saber conjunto que permitisse compreender as diversas esferas da vida em sociedade.


Como resultado desse movimento surge no final do século XIX uma corrente de pensadores organizada como a escola histórica alemã (em alemão, Historische Schule der Nationalökonomie) que reagiu de forma contundente às idéias liberais e ao avanço do pensamento marginalista. Configurou-se, então, um embate metodológico entre indutivismo e dedutivismo. Os autores da escola histórica atacam a noção de universalidade dos teoremas econômicos. Isso porque a economia é dependente dos fenômenos históricos específicos de cada povo e, portanto, deve se dedicar a um estudo rigoroso da realidade histórica e não à dedução de teoremas de acordo com a lógica.
Há uma enorme preocupação com a realidade. Os economistas históricos abandonam a ideia de que a natureza humana é eterna e imutável em contraposição com o ideário defendido na revolução marginalista, herança direta dos anseios por cientificidade de Mill e Ricardo. A característica desta escola de pensamento é a preocupação com a história em vez de modelos matemáticos auto-referenciais. Grande parte destes autores foram também Kathedersozialisten, ou seja, preocupados com a reforma social e a melhoria da qualidade de vida das massas durante os tempos da industrialização.
O marco maior da batalha dos métodos é a crítica de Schmoller em 1883 a uma publicação de Menger e a resposta irada deste. A partir daí configura-se um cenário de debates sobre a natureza do objeto econômico e a melhor forma de abordá-lo. Esse contexto é tão prolífico que perpassa inúmeros campos do conhecimento, como a moral, os valores, a religião, a filosofia, a ética, a política e, principalmente, as teorias históricas.

II – Como se constitui a escola.
Primeiramente, é necessário definir o termo escola historicista alemã e o que ele se refere. Nas palavras de Senn (SENN, 2005: 186):
The German historical schools are treated so differently in the histories of economic thought that no scholar could get an understanding of them from any one history. Although the term ”German historical schools” is ambiguous, that does not mean it should be abandoned. Without exception, historians of economic thought assume that references to the German historical schools refer to a group of German scholars working in the middle to late 1800s and early 1900s.”

Assim sendo iremos tratar a escola historicista alemã como o movimento intelectual do século XIX que apresenta uma dura crítica metodológica ao pensamento liberal, isto é, tanto a economia política clássica quanto os chamados marginalistas. Em segundo lugar é necessário definir quem são os membros deste movimento. Novamente a colocação de Senn é adequada (SENN, 2005: 186)


There is no generally accepted consensus about either the number of German historical schools or their members in the histories of economic thought. The number of schools varies from one to four. Sometimes only one German historical school covers the subject. Sometimes there are two German historical schools, “early” or “older” and “younger”. Sometimes there are three German historical schools, “early” or “older”, “younger” and “youngest” or “newer”.”

É possível notar que existem diversas definições dos membros da escola historicista alemã. Isso revela a enorme influência que esse grupo de intelectuais exerceu no cenário acadêmico mundial. Neste trabalho o movimento será dividido em três escolas diferentes: A velha escola histórica, liderada por Wilhelm Roscher (1817-1894), Karl Knies (1821-1898), e Bruno Hildebrand (1812-1878); A nova escola histórica, liderada por Gustav von Schmoller (1838-1917) e incluindo Lujo Brentano (1844-1931) e Karl Bucher (1847-1930). Por último, aparece o que muitos autores chamam de novíssima escola histórica, liderada por Werner Sombart (1863-1941) e incluindo também Max Weber (1864-1920).

É importante identificar o arco de pensamento que une todo o movimento intelectual referido. Apesar das inúmeras diferenças entre as chamadas escolas, os membros dessa linha de pensamento compartilham a crítica fundamental à perspectiva mecânica da vida econômica. Os economistas alemães estão preocupados em refutar a suposição clássica à cerca da natureza humana, ou seja, de que os homens são essencialmente egoístas; seja à procura do auto-interesse de que Smith nos fala ou o homo economicus dos manuais modernos. Isso revela uma diferença metodológica crucial. Os economistas históricos rejeitam a abstração como método, abandonam a idéia da validade universal dos teoremas econômicos.

A redução da sociedade a um argumento de agentes individuais, reunidos apenas mediante a vontade de maximizar seus interesses pessoais é combatida pela ideia da peculiaridade e da complexidade irredutível dos movimentos históricos. Essencialmente, o debate erguido pela escola histórica alemã trata de negar verdades independentes do tempo, alegando ser necessário um método capaz de abarcar as diferenças para compreender uma realidade sempre mutante, única e imprevisível.



II.1 – A Velha Escola Histórica Alemã.
Karl Gustav Adolf Knies foi provavelmente o mais importante teórico da velha escola histórica alemã. Ele é autor da importante obra Political Economy from the Standpoint of the Historical Method (1853) e foi professor da Universidade de Heidelberg por mais de 30 anos. Knies, convencido de que a natureza humana é orgânica e indivisa, defendia, que três instintos convivem harmoniosamente no caráter humano: auto-estima, amor ao próximo e um senso de imparcialidade e justiça. Tornou-se um crítico contundente da solução smithiana. Ele atacava a ideia de que interesses privados gerassem benefícios públicos. Em sua obra máxima ele faz um comentário sobre o auto-interesse: “in the public interest, so to speak, in its weakness and dangerous in its strength” (Knies, 1853: 157).
No entanto, foi Bruno Hildebrand que elaborou um método para caracterização de épocas de evolução econômica, usando a presença ou ausência de “economia natural” como base para a classificação de sistemas econômicos. Ele identificaria três tipos (ou estágios econômicos) básicos: a economia natural ou de trocas; a economia monetária; e a economia creditícia. Seu método teria sido bastante popular, sendo utilizado nas tipologias de vários outros autores. Também, a convicção de que as relações econômicas estariam necessariamente entranhadas nos arranjos sociais levaria à definição de épocas econômicas em termos de formas sociais dominantes. Roscher, por exemplo, teria distinguido os seguintes estágios: economia familiar, economia de corporações, economia municipal e economia nacional.

II.2 - A Nova Escola Histórica Alemã.

Gustav Von Schmoller é o expoente mais ilustre da nova escola histórica alemã. Não só por seus trabalhos em diversos campos de discussão, mas também por sua enorme preocupação social e seu engajamento político. Nas palavras do próprio Schmoller: “I have an answer only for those who have faith in the progress of world history, for those who find our current social conditions bad, the life and morals, [. . .] the morality of our lower classes very bad, and in the deepest need of reform.” (SCHMOLLER, 1874: 323)


O trabalho científico de Schmoller pode ser dividido em duas vertentes: Por um lado, estudos sobre economia institucional e administração pública, por outro, uma inquietação metodológica que fundou uma doutrina econômica original baseada na velha escola histórica alemã de meados do século XIX. Essa doutrina econômica precisa ser entendida em um contexto que vincula uma teoria social com uma ideologia que proclama uma evolução ética contra a visão estabelecida da história do mundo.
A questão central da economia política de Schmoller pode ser entendida a partir da resposta a seguinte pergunta: Do que depende o progresso econômico? Para Schmoller o verdadeiro progresso econômico depende inteiramente da ética, em uma expressão cunhada pelo próprio autor, “ethical culture”. É essa ética que irá formar toda a base das políticas econômicas (SCHMOLLER, 1882: 1382).
Political economy can only be a science today if it expands to encompass a social theory (Gesellschaftslehre). Its fundamental starting point can no longer be the individual and his technical production, but rather society and its historical development; its implementation must consist of investigations into the social forms in which economic life makes its appearance; its . rst concern is to deal with economic bodies and economic institutions [. . .] as they have developed historically or as they relate to each other in practice.”
Seria Karl Bücher, porém, quem mais tarde levantaria a relatividade histórica da própria racionalidade econômica; sugerindo que o egocentrismo humano poderia não ser uma manifestação da condição humana, mas sim produto de circunstâncias particulares (nacionais, culturais e históricas). Segundo ele, a racionalidade econômica do homem seria adquirida e não dada pela natureza, de modo que outros tipos de homem não se comportariam como individualistas e autocentrados. Este homem seria uma manifestação de seu tempo e não teria um egoísmo inato.
É vital ressaltar as contribuições que esta escola deu ao debate metodológico (methodenstreit). Menger defende que o melhor método para o estudo da economia é o uso da razão na busca por teorias generalizantes que possam ser aplicadas há várias áreas. Menger, assim como os austríacos, se concentram na subjetividade e na natureza atomística da economia. Os principais “tijolos” da economia são o auto-interesse, a maximização da utilidade e a informação perfeita. O agregado só faz sentido se entendermos as partes individualmente. Schmoller responde Menger atacando o método dedutivo e advertindo que economia se estuda no tempo e no espaço. O fenômeno econômico está entrelaçado com política, moral e cultura. Indissociáveis.
II.3 – A Novíssima Escola Histórica Alemã.
Trata-se mais de influências dos economistas históricos do que propriamente uma escola organizada de pensamento econômico. Dentre essas influências a mais importante é sem dúvida na obra de Max Weber. O Sociólogo, jurista e intelectual apresentou ideias muito valiosas para o debate metodológico. Segundo Weber a história não seria racional em si mesma, mas o historiador seria capaz de racionalizá-la parcialmente. Toda ciência poderia por uma seleção de aspectos de uma realidade infinita, sendo impossível um método universal que abarcasse a totalidade do real, pois os conceitos são intrinsecamente parciais.
Weber distingue o objeto de estudo das ciências naturais e das sócio-culturais. Nas ciências naturais o objeto tem valor intrínseco, os fenômenos são mensuráveis. Diferente das ciências humanas onde o objeto é subjetivo e passível de interpretação. O interesse nas ciências sociais viria no desejo de compreender as condições para existências de condutas subjetivamente significativas, entendendo suas motivações específicas – crenças, intenções, valores e etc. A abordagem seria propor explicações satisfatórias e não generalizações porque para esse método o importante é entender as propriedades únicas das pessoas, instituições e processos históricos (WEBER, 1975: 128).
“Nosso critério para explicação causal requer, sempre que a ‘interpretação’ for possível, que ela deva, em princípio, sem empreendida. Isto é, na interpretação da ‘ação’ humana, nós não estamos satisfeitos simplesmente em estabelecer a relação entre ação e uma generalização puramente empírica, independente de quão estrita essa generalização possa ser. Nós requeremos a interpretação do ‘sentido’ da ação”
Muitos outros autores receberam influência dos economistas históricos e poderiam ser considerados membros da Nova Escola Histórica Alemã. É importante citar Karl Marx, Thorstein Veblen, Werner Sombart e Karl Polanyi cujos trabalhos são intimamente relacionados com os métodos da escola histórica. Muitos autores alegam que a escola histórica alemã está morta, mas sua influência é tão abrangente e tão fundamental que a escola certamente vive na obra desses economistas preocupados com a rejeição das relações sociais no estudo do objeto econômico empreendido pelo mainstream.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
HAUSMAN, M. and McPherson, M. Taking ethics seriously: economics and contemporary moral philosophy. Journal of Economic Literature, Vol 31, n. 1, p. 671–731. 1993.

HOBSBAWN, E.J. A Era do Capital: 1848-1875. Tradução de Luis Costa Neto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977 B. 343p. (Pensamento Crítico, v.12).


HUTCHISON, T. 1953. A Review of Economic Doctrines, 1870-1929. Oxford: Clarendon Press.
KAHN, J.S. Towards a history of the critique of economism: the nineteenth-century German origins of the ethnographer’s dilemma. MAN: The Journal of the Royal Anthropological Institute, Londres, v. 25, n2, p. 230-249, Junho de 1990.
KNIES, K.G.A. Political Economy from the Standpoint of the Historical Method. 1853. 157p. (Braunschweig)
NAU, H. Gustav Schmoller’s Historico–Ethical Political Economy: ethics, politics and economics in the younger German Historical School, 1860–1917. Euro. J. History of Economic Thought, Vol 7, n. 4, p. 507–531, Winter 2000.
SCHMOLLER, G. Die sociale Frage und der preußische Staat. 1874. Preußische Jahrbücher, XXXIII: 323–42.
________________. Review ‘G. Schönberg, Handbuch der politischen Ökonomie’. 1882. Schmollers Jahrbuch, 6: 1379–87.
SCHUMPETER, J. 1954. History of Economic Analysis. New York: Oxford University Press.
SENN, P. The German historical schools in the history of economic thought. Journal of Economic Studies. Vol. 32, n. 3, p. 185-255, 2005.
SENIOR, N.W. Three Lectures on the Rate of Wages. McMaster University.

WEBER, M. Rocher and Knies: the logical problems of historical economics. 1975. Traduzido do alemão para o inglês por Guy Oakes; Nova York: The Free Press. 294p.




 Aluno do Mestrado em Economia Política Internacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PEPI/UFRJ).

1 Espírito do Povo. O povo é anterior e superior ao Estado e é do espírito do povo que brota tanto a língua como o direito, consideradas produções instintivas e quase inconscientes que nascem e morrem com o próprio povo.




Dostları ilə paylaş:


Verilənlər bazası müəlliflik hüququ ilə müdafiə olunur ©genderi.org 2019
rəhbərliyinə müraciət

    Ana səhifə